terça-feira, 1 de julho de 2008

Sentia-se suja. Imunda. Refletia no espelho a sua pele branca, seus olhos borrados. As lágrimas desciam pretas até metade do rosto. O coração palpitava acelerado dentro do peito e ela sentia um medo descomunal de tudo, da vida.

Insaciáveis, as lágrimas iam lavando a alma e borrando tudo à volta. Estas chegavam ao queixo, geladas. Fazia frio. Renata secou-as com o dorso da mão e, por vez, enxugava a mão no alaranjado pijama...

Com os pulsos para cima, Renata observava a cicatriz, paralela ao pulso, vermelhas. Ainda doíam. Afinal, não tinha tanto tempo que estava em casa.

Arregalada, olhava o quarto recém novo. Estava em sua casa, mas tudo era estranho demais... No canto esquerdo, logo acima da porta, estava ela: quieta, piscando um único ponto de luz vermelha, apontando para Renata...

Renata enraiveceu por estar sendo vigiada. Desejou morte àqueles que a queriam bem e sentiu aversão a si mesma, pelo sangue que, não o dela, corria na veia:

- Por ele estou viva. Nesse mundo que não é mais meu.

8 Comments:

Antônio said...

Pois eu te dou o maior apoio! O que tu chama de "assim", eu chamo de diferencial. E nada melhor do que explorar e cultivar algo só teu, que te torna diferente dos demais e incisivamente especial. =)

Beijo!

Maria Fernanda said...

Ser quem não se é e ainda estar constantemente sobre olhares, deve ser doloroso.

marden said...

o texto é bom sim! faltou coragem pra ela?

sua escrita incomoda. gosto! isso...

Adriano DiCarvalho said...

Olha que maravilha encontrar(ou ser encontrado no caso.rs)uma nova e excelente escritora pela blogosfera. Que bom que me achou moça. Adorei aqui. Meio assustador e um tanto quanto sombrio, mas muito rico e instigante. O que certamente me farão voltar sempre.
Em breve te linkarei também.

Bjão.

Maldito said...

Palavras pesadas beirando o sombrio heim,....Eu gosto

Parabens pelo blog!

Inté

Adriano DiCarvalho said...

Pronto. Devidamente linkada! Agora voltarei sempre. Com todo prazer.

Bj'ao.

Nanita said...

Forte e profundo, adorei! :)

camila said...

Carol que denso!
Palavras fortes e autenticas! Assim com seu blog inteiro!
Vou te linkar para não perder em meus CAMINHOS!
Beijo
=)