terça-feira, 26 de agosto de 2008

Andava sem parar de um lado para o outro do apartamento. O coração ainda não tinha desacelerado, as lágrimas ainda não haviam secado: "vou-me embora desse cu de cidade", decidiu. Pegou pepel e caneta e escreveu:

"Mãe,
o povo dessa cidade anda me criticando e julgando-me pela morte do meu querido noivo. Estou com medo de cometer alguma loucura. Com eles, comigo.
Calma, não quero que se assuste! Por este fim, decidi ir embora dessa cidadezinha fofoqueira e mentirosa. Tenho minhas economias e, quando conseguir me estabelecer novamente, mandarei algum para a senhora.
Não me procure. Ficarei bem, mandarei notícias. Mas preciso ir embora, alguém aqui não quer me ver viva.

Com amor,
Esther"

Pegou sua maior mala e começou a separar as coisas que precisava levar com ela. O que não precisava, quebrava e jogava fora. Guardou algumas roupas quentes, poucos casacos, sapatos, sandálias e havaianas. Suas melhores roupas, presente do falecido. Biquinis, quase nunca usados. Maquiagem. Certificou-se de que não esquecera de nada, fechou a mala e a deixou num canto.

Acendeu um cigarro.

Entre um trago ou outro, rasgava, uma a uma, as fotos que tinha com Bruno e sua família. Uma a uma. Olhava-o com certo remorso, mas não arrependera-se do que fizera. "Tão bonito e um fim tão trágico"... E rasgava. Certificou-se de que não sobrara uma foto sequer... Entre elas, achou uma na qual se encontrava ao meio dos dois irmãos: Bruno e Flávio. "Flávio, o filho da puta do Flávio, que me comeu em pleno enterro do irmão...". Apagou o cigarro em cima da cara dele, abriu a bolsa e guardou a foto queimada:

- Rio de Janeiro, aí vou eu.

15 Comments:

Antônio said...

Caramba, há quanto tempo, hein? Pensei que tivesse esquecido a blogoesfera...

Que bom que retomou o conto, aguçou ainda mais a minha curiosidade a partir de agora, hehehe.

Beijo!

Thefy said...

Flor, adorei aqui, e estava louca para ver a continuação dessa história, e você que só me deixa mais ansiosa ainda...rs..o que será da Esther??!!!rs
Bjokas...

marden said...

Putaquepariu²
Volto! Eu volto!!! Pode ter certeza...

Maldito said...

Que delicia, poder contar novamente com as suas palavras,...

Bjs,..
Inté!

Camila said...

Oh Carol... sumiu mulher!
Oooh!
Que conto heim?! Mexendo com nossa imaginação!
=*

said...

AEeeeeee hahahah
adoreiii a continuação do caso! =)

muito boa... vc é muitoo criativa! =)

beijaõ

Maria Fernanda said...

teus contos tem gostinho de queromais.

Jéssica said...

Curiosidade ainda me mata.


;*

Mustafa Şenalp said...

çok güzeel site .:)

Palavras de um mundo incerto said...

Guria, estou aguardado a nova rota dessa trama, ok?

Beijos


Marcos Seiter

Palavras de um mundo incerto said...

Ops(**risos**): AGUARDANDO.

Bjos

amália :) said...

adoro a sua escolha de palavras :)

meus instantes e momentos said...

texto forte.Bem escrito, muito bom. Gostei daqui. Volto com certeza.
Maurizio

R.Vinicius said...

Carol encontrei o seu blog atravês da Maria Fernanda (P.S.). Esse post é continuação de um conto seu? Gostei muito do post e gostaria de saber o fim dele, se houver algum além deste que me aguçou o querer. :)

Abraço,

R.Vinicius

Egon Henrique said...

ESTOU DE VOLTAAAAAAAAAAAAA

PASSA LÁ

http://osonhocomecou.blogspot.com/